Amazontime

Amazontime
O maior site de notícias de Humaita - AM
"Deixe seu comentário ao fim das matérias, se preferir poste no mural de recados na parte inferior do site. obrigado!

sexta-feira, 1 de junho de 2012

50 anos de retrocesso


                O governo federal incentivou a vinda de trabalhadores
do sul do país para o extremo norte do país, o Amazonas recebeu inúmeros migrantes que traziam sua cultura e tradições que mudaram de forma duradoura a vida do povo local. Um dos medos que fizeram o governo incentivar os nacionais do sul do país a virem para os estados do Amazonas, Pará, Acre e Rondônia era perder as imensas riquezas presentes no norte da nação para os norte-americanos.
            O tempo passou e as coisas mudaram e infelizmente para pior, Jonh Auler, neto de imigrantes que vieram da Alemanha constata com tristeza que o país de origem de sua família passou de uma situação vexatória após o fim da segunda grande guerra para o atual detentor da chave do cofre do Mercado Comum Europeu, isso se deve ao avanço ocorrido pela competência do estado europeu em gerenciar suas iniciativas desenvolvimentistas.
            Por aqui, conforme o empresário a coisa congelou e só regrediu, para começar a rodovia que dava acesso a capital do estado ruiu para nunca mais funcionar. Os coronéis de barranco que tinham poder de vida e morte nos áureos tempos da borracha agora fazem suas ações com a caneta podando de todo o jeito quem vem de fora da região. Muitos sulistas e migrantes de outras partes do Brasil foram praticamente expulsos da região e da cidade de Humaitá. Terras tiveram de ser abandonadas por excesso de burocracia, a madeira foi impedida de ser retirada, campos não produzem mais nada e até o extrativismo tem várias dificuldades em seu manejo e exploração comercial.
            O slogan que trouxe os fortes braços do sul, “migrar para não entregar” não funcionou a contento, eles migraram, vieram para a região, mas tiveram que abandonar suas terras por falta de apoio e muitos, os que tiveram sorte de não morrer voltaram para o sul com a mão na frente e outra atrás. Quem conseguiu ficar teve que encarar outras funções e muitos tiveram que se adaptar a vida de comerciante, que também não é nada fácil, pois os impostos são gigantescos e a devolução do estado em benefícios é insignificante.
            Depois que o governo militar saiu do poder os migrantes do sul tiveram suas vidas transformadas num inferno na terra, até mesmo perseguições religiosas foram empreendidas, os que vieram do sul do país tinham uma religião diferente da praticada pela maioria, assim os luteranos sofreram perseguições pela maioria católica que imperava na região. Depois de muito tempo de perseguição e dificuldades sem fim colocadas no caminho dos migrantes do sul, até mesmo os filhos da terra que saíram não quiseram mais voltar. A grande maioria dos que fazem faculdade na cidade são de fora daqui, eles vêm de Manicoré, Borba, Lábrea e até mesmo de Rondônia.
            Auler também constata que cidades como Ariquemes e Jarú , muito mais novas que Humaitá estão a quilômetros a frente da Princesinha do Madeira, o que se vê é Humaitaense espalhado por todo o lado, filhos de advogados que se formaram em Manaus e que não querem de forma alguma vir para Humaitá, também filhos de grandes empresários que não desejam de forma alguma abrir uma porta comercial por estas bandas.
            Após a conversa franca com Auler sobre as condições de Humaitá em relação as que figuram na Alemanha, numa tosca comparação com ressalvas as devidas proporções, constata-se que é realmente estarrecedor; agricultura que regrediu, extrativismo que estagnou, exploração da madeira que quase inexiste, filhos da terra que migraram para Rondônia ou Manaus por não terem chance de avançar em sua própria casa, estradas mal conservadas que gastam milhões dos cofres públicos para nada e outras mazelas administrativas que nos colocam no rabo da fila  de um país emergente. Os dados são tristes e facilmente comprováveis, mas será que algum dia a coisa muda pra melhor de forma permanente?


Haroldo Ribeiro
Amazonas - Brasil
imagem: fne.org.br

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com responsabilidade