Amazontime

Amazontime
O maior site de notícias de Humaita - AM
"Deixe seu comentário ao fim das matérias, se preferir poste no mural de recados na parte inferior do site. obrigado!

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Dr. Becker vai sair do inferno?



         Dr. Paulo Becker, homem bastante influenciador, 
seus alunos acabavam por sucumbir diante de suas explicações, ele era amante de Charles Darwin e de tudo o que ele pesquisou e divulgou ao mundo de sua época vindo a expandir os valores da ciência em detrimento de uma religião que a seu ver só trouxe atraso a raça humana. Em suas aulas ele citava a origem de várias guerras, principalmente no Oriente Médio, todas causadas por celeumas religiosas, e uma idéia de um Deus pessoal para ele era pura balela.
         Depois da aula na faculdade ele seguia para sua casa todos os dias, do campus até seu lar eram exatos 45 minutos numa estrada quase sempre sem movimento, quando faltavam apenas mais cinco quilômetros para chegar ao seu aconchego, Paulo atravessava uma linha de trem que raramente tinha movimento, todas as composições geralmente trafegavam pela noite ou madrugada. Esta rotina era praticada todos os dias úteis quase sempre às 12h45min quando terminava sua ultima aula.
         Paulo era apaixonado pelo que fazia, quando pequeno observava por horas a fio o movimento dos animais, a velocidade dos rios, o revoar de insetos e aves, pensava em descobrir-lhes os segredos, em desvendar cada um de seus muitos mistérios, e assim foi passando pela vida com boas notas e avanços rápidos, depois de terminar o ensino médio passou no vestibular para entrar na faculdade do estado, gratuita, longe 200 quilômetros de sua casa e teve que aprender a se virar, pois seus pais não tinham grandes recursos e havia mais quatro irmãos para alimentar, ele era o mais velho.
         Próximo do fim do curso, uma nova aluna, Valéria Bentes Villar, começou a estudar no campus, ela era tudo o que o grande Paulo queria, não muito chamativa, estudiosa e não gostava de muita bagunça ou bebidas. Quando os dois se formaram não havia mais nenhuma opção  lógica do que o casamento, Paulo pensava no casamento como algo falido, mas Valéria queria dar este gosto aos pais, muito católicos, que queriam ver sua filha entrando de branco ao som da marcha nupcial.
         No tempo em que estudou na universidade, Paulo foi confrontado com várias teorias. Nas muitas aulas em que participou em nenhuma delas Deus foi sequer cogitado como existente, todos a uma só voz excluíam a palavra Deus de suas aulas, vez por outra algum aluno muito católico ensaiava falar alguma coisa, mas os bombardeios eram tão grandes que quase sempre eles saiam envergonhados, alguns até mesmo chegavam a evitar o assunto e comiam tudo como era passado sem contestar.
         Para o aluno Becker, não havia o que brigar, ele não gostava de catolicismo e muito menos dos chamados crentes, pois estes nem escutava o que se dizia. Numa outra sala, um rapaz de uma igreja a Assembléia de Deus, desafiou um professor a provar o que falava, ele fazia história dentro e fora da aula, todos evitavam falar com ele, pois ele ousava falar de Deus, e ainda dizia tudo como se este Deus existisse de verdade.
         Após casado Becker começou seu mestrado, ele passou dois anos no até então maior projeto de sua vida e como tudo na vida do homem pacato fora das salas de aula àquela etapa também passou de forma rápida e sem nenhum tipo de embaraço. O emprego numa escola pública da periferia já estava garantido desde a graduação, agora com o mestrado na mão ele voaria em céus mais altos e após um concurso conseguiu uma vaga como professor assistente na Universidade Federal. O salário aumentou, o tempo diminuiu, e sua mulher, que ainda estava em escola pública dando aula de português também partiu para o mestrado, mas no meio do caminho um rostinho lindo de menina surgiu adiando por alguns anos a tão sonhada ascensão profissional. Becker virou um pai babão e não largava de Pâmela, sua primeira filha.
         A linha, a linha do trem, freqüentemente sem movimento, o som do carro alto, um defeito na cancela. O mundo dos homens é cheio de defeito, talvez por isto a teoria Darwiniana faça tanto sucesso, vir de um Deus perfeito e ser tão imperfeito melhor assemelhá-lo a um macaco, mais fácil explicar suas mazelas, dizer que a parceria feita com o Diabo é que deu em tudo o que deu, não é tão palatável do que provar com todos os recursos retóricos de que o homem é fruto de evolução, pura e simples evolução.
         O som alto, raro, geralmente Becker ia em silêncio para seu lar, mas naquele dia ele queria boa música, Elis Regina. Ele aproximou-se da linha, todo o homem tem sua linha divisória, algo que aconteceu em sua vida, que o deixa mais cônscio, mais rebelde, mais antenado com o mundo, para Becker este dia chegou com o seu doutorado, num país como o Brasil, ser um doutor de verdade é algo muito bom, embora o salário seja ruim, talvez um dos piores do mundo, a vantagem de ser doutor por aqui é que na grande maioria das vezes quando ele fala o resto tem que se calar. Os inúmeros textos feitos e jogados na lata do lixo, as várias linhas de defesa e os questionamentos que viriam, ou não, tudo isto faz com que um doutor tenha bala na agulha para vencer a maioria dos obstáculos.
         O dia estava ensolarado, típico de verão, algumas nuvens surgiam no céu anunciando que uma chuva breve haveria de vir com o ímpeto de enxurrada, a estrada continha pastagens misturada com matas ralas, mas vibrantes de vida, tratores já começavam a colheita e Becker escutava Elis com vários planos na mente. Travessia, cancela, trem barulho, estilhaços, sangue, vida pulsante, pulsação baixa, cabeça inclinada, cinto preso, trem parando, gritos... Morte?
- É o professor
- Meu Deus, ele tá vivo?
A conversa entre Clara e Mirla, alunas do grande mestre que vinham alguns metros atrás em uma motocicleta despertou mais motoristas que iam parando. O maquinista, José Salustiano disse:
- A cancela não baixou, mas o sinal foi dado, reduzi a velocidade, buzinei, mas acho que ele estava noutro mundo!
Outro mundo! Existe? Becker estava preso as ferragens, mas via o desespero de quem tentava salvá-lo.
- Ei pessoal, eu estou aqui!
Ninguém o via, ninguém o ouvia, ele começou a ficar preocupado, alguns segundos se passaram e ele viu descer do céu dois elementos de asas negras e olhar intimidador, não eram coisa boa, seriam demônios? Sem uma palavra eles levaram o nobre doutor a um lugar bem longe, mas a velocidade que empreendiam era enorme, a luz perdia para eles. Num determinado local os dois pararam e deixaram o homem num grande portal, ali um homem de sorriso largo e semblante que misturava gravidade e amor chamava-o:
- Paulo Becker, brasileiro, 37 anos casado e pai de uma filha, professor e doutor no mundo.
O professor ficou feliz ao serem lidas suas atribuições na vida terrestre, esperava ser recepcionado naquele lugar lindo, de ar puro e águas cristalinas. Dentro do portal pessoas andavam rapidamente, havia um grande trabalho sendo feito, mas ele sequer imaginava o que poderia ser.
Aquele homem alto e lindo revirava um grande livro, a procura do nome de Becker, mas não encontrou nada, depois da procura deu a sentença:
-Podem levá-lo!
- Não meu senhor, procure direito, eu fui um bom homem na terra, paguei os meus impostos, não deixei nada faltar a minha família, servi ao meu país com honra e dignidade!
- Sinto muito senhor, por aqui as obras humanas nada valem se não forem acompanhadas de arrependimento pelos pecados e conversão sincera a Jesus Cristo.
- Neste instante outro homem foi levado a presença do anjo do portal, era um pastor evangélico, ele sorria, estava certo de que entraria naquele lugar de glória, mas seu nome também não estava no livro, ele cometera adultério, por anos, sua secretária era sua amante, fez muitas obras sociais, ajudou muitos drogados, construiu creches e levantou lares para idosos, mas foi infiel para sua esposa, não se arrependeu de seus pecados e não confessou sua falha, mesmo no leito de dor. Foi retirado do lar celeste e viajou para as profundezas juntos com o Dr. Becker.
         Náuseas misturadas com profundas angústias tomavam conta do coração do Doutor, ele sentia o mau cheiro do local, vultos estavam por toda a parte, ele chegou num portal enorme, do outro lado seres não amistosos o esperavam, ali não se cobravam nomes, e registros, todos os que ali estavam tinham uma coisa em comum, não fizeram nada, nada era a senha para o inferno. Muitos viram crianças sendo estupradas e nada fizeram. Juízes não fizeram nada ao ver injustiças sendo cometidas,  homens nada fizeram para tentar salvar seus casamentos e foram infiéis às suas esposas, mas o que era um fator preponderante era a postura sobre o nome de Jesus, muitos adiaram suas decisões e não procuraram conhecer o Evangelho e foi este conhecimento que faltou a Becker.
         Em toda sua vida ele leu vários compêndios científicos, estudou continuamente inúmeros tratados, ensaios, e volumes sem fim de teorias, mas nenhum destes seus muitos dotes científicos podiam livrá-lo de seu maior pesadelo, o inferno.
         Num determinado momento, o pânico, coisa que não eram lá sua praia começou a estabelecer-se de forma definitiva. Ao olhar para uma determinada direção ele viu uma grande quantidade de pessoas subindo uma montanha íngreme e muito trabalhosa, alguns eram atingidos por seres alados, que davam risadas grotescas e derrubavam a maioria deles, outros conseguiam chegar mais longe, mas nenhum atingia o topo, quando estavam próximos eram derrubados sem dó nem piedade.
         Uma mulher tinha um olho faltando e do buraco onde deveria estar o olho saiam alguns vermes cinzas, ela os atirava para longe, mas eles voltavam subindo por suas pernas, ela queixava-se dos incômodos que eles lhe causavam, mas nada podia contra as forças dos espíritos que habitavam o submundo onde ela estava.
         Becker atravessou o portal, lembrou de sua mulher e filha, não queria que elas fossem para um local como aquele, ali estavam milhares de pessoas, gente famosa, e muita gente anônima, todos tinham algo em comum, todos gostavam de pecar, de burlar, alguns com pequenos e ínfimos delitos, um rapaz, Sony Parlingo do Texas foi a Las Vegas e ganhou alguns milhares de dólares, dentro do cassino ele estava sendo vigiado por assaltantes, quando foi abordado do lado de fora os marginais o assaltaram e por um movimento brusco levou um tiro na cabeça e morreu, enquanto estava jogando sua esposa passava mal em casa com fortes dores abdominais, o celular tocou e ele não atendeu, nunca mais ele viu a sua esposa e nem o brilho da vida.
         Um falso religioso que ganhou muito dinheiro enganando gente humilde estava por lá também, ele era tão convincente com sua doutrina que acabou acreditando na própria, ele dizia-se Cristo, achava que podia salvar as pessoas, dentro dos portais do inferno ele fica andando de um lado para o outro com os braços abertos dizendo que é o Cristo e que pode tirar as pessoas de lá, mas tem bichos que saem da língua e exala um cheiro terrível, alguns falam:
- Você também é um de nós animal asqueroso!
Do outro lado um berro de terror:
- Eu estou aqui por causa de você, infame! Pegue ele!
Toda hora havia uma confusão, os demônios, aos milhões davam risadas e divertiam-se com toda a miséria.
Becker pensava:
O que estou fazendo neste lugar, eu que sempre fui um homem inteligente, esforçado, por quê?
         No mundo dos vivos há milhares de quilômetros dali, uma jovem Maria Damasceno, parava seu carro na pista próximo de onde acabava de haver o acidente e olhou a cena, a pressa já não era tanta, o professor Doutor já estava morto, eles esperavam o carro do IML, mas do outro lado houve um grande acidente uma construção desabara e havia muitos corpos, a polícia estava lá, por isso ninguém havia chegado para resolver o caso de Becker.
         A mulher de Becker chegou e o desespero estava estampado em sua face:
         Meu amor, amanhã nossa filha faz dois anos. Ela chorava sem que alguma consolação surtisse efeito em sua alma.
         Maria olhava para aquele homem morto e pensava: Como tudo isto pode acontecer... A morte só quer uma desculpa. Neste momento já havia se passado mais de uma hora a mulher de Becker clamava por Maria e todos os santos, mas nada adiantava naquela hora, ele se fora, ninguém sequer imaginava onde estava aquele homem trabalhador naquele momento, mas ele estava sob o poderio de vários seres infernais que davam risadas, falavam todos os idiomas imagináveis e tinham uma inteligência fora do comum, outro dado notado é que os entes infernais sabiam de toda a vida das pessoas que chegavam ao inferno, dia de nascimento, dia de batismo, dia de casamento, perda da virgindade, uso de maconha, relações homossexuais e heterossexuais também, palavrões, poesias tudo o que a pessoas fez na vida estava nas mentes daqueles infelizes demônios.
         Becker começou a sentir alguma coisa subindo dentro de seu corpo, um verme branco e viscoso saiu de seu olho direito, outros começaram a brotar de todas as partes de seu corpo , o desespero do doutor brotou em forma de grito, seu grito juntou-se a outros milhões de gritos naquele local de proporções continentais, a escuridão era terrível, mas as chamas levantavam uma luz que mostrava a dimensão do local onde todos estavam. Gritos de misericórdia não surtiam efeito, gritos nada podiam mudar naquele local e uma palavra era a mais assustadora de todas E.T.E.R.N.I.D.A.D.E!
         Maria Damasceno era uma cristã que enobrecia o nome que levava, não contendia com ninguém, mas nunca negou ser seguidora de Cristo, não gostava de se aparecer, mas quando mexiam com sua fé era hora de levantar e defender o seu Cristo, ela aproximou-se de Valéria e disse:
         - Dona Valéria, a senhora não me conhece, eu sou aluna do campus e conheço seu marido, o Doutor Becker, eu creio em Jesus Cristo e peço que a senhora me dê um pouco de sua atenção, onde o doutor está agora nenhum de nós pode fazer nada, mas eu sei um que pode fazer alguma coisa por ele!
         - Quem, pelo amor de Deus... Quem?!.
         - Minha filha faz aniversaria amanhã, e não vai ter o pai!
Ela chorou, quase gritando.
         - Calma minha querida, existe uma solução!
         - Qual? Diga qual?
         - Na Bíblia Sagrada está escrito Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que esteja morto, viverá conforme está em João 11 e 25.
         - Mas ele não crê em Deus?
         - Eu sei, mas existe outro texto que diz Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressucitai os mortos, expulsai os demônios: de graça recebestes, de graça dai.” Conforme Mateus capítulo 10 versículo 09.
         - Mas você tem essa fé?
         - Claro que tenho! Ele vai voltar, não importa onde esteja Jesus vai trazê-lo de volta.
         O local está cheio de curiosos, Maria Damasceno, era membro da Assembléia de Deus, já ouvira falar diversas vezes na cura de enfermos e agora iria falar a um defunto, ela pediu a Valéria que exigisse a saída das pessoas de perto do marido morto. Mais do que depressa a mulher do doutor fez a solicitação e foi atendida.
         A jovem cristã olhou para o céu e disse:
         - Deus tu és o dono da vida e este homem não a tem mais, traze-o de volta. Em nome de Jesus!
         Homem, eu te digo, volte ao mundo dos vivos em nome de Jesus!!!
         As pessoas a pedido da viúva estavam afastadas, não sabiam ao certo o que acontecia, um barulho de sirene já podia ser ouvido ao longe, o carro do resgate finalmente estava chegando. No lugar em que estava Becker já sentia um imenso pavor tomando conta de sua alma ele tentou demonstrar firmeza, mas no local para onde ele fora isto nada significava, o pavor, o medo, o mau cheiro, o ódio, os vermes, muitos vermes saturavam o ambiente de forma irremediável, uma tremenda escuridão só podia ser cortada com um fogo que envolvia as almas humanas, chicotes esticavam e tiniam no ar, após seu estampido um gemido de dor seguia, o coro de seres, ex-seres humanos que ali estavam era só ais, uis, misericórdia e dor, incessante dor.
         Naquele dia, num olhar humano, pois ali não existe escala de tempo, um som estridente rompeu a rotina de terror, uma luz cortou o ambiente, no vácuo que surgiu os demônios tremiam de medo, afastavam-se, acotovelavam-se e não acreditavam no que viam, todos ficaram com a cabeça baixa, uma voz estridente grave e poderosa falou e foi obedecida:
         - Paulo Becker!
         - Sim, meu Senhor, estou aqui! Por favor... Estou aqui!
         - Você não acreditava em mim, seu destino estava selado, só posso defender àqueles que ouvem a minha voz enquanto vivos e me obedecem. Tu vais sair deste lugar não por teus méritos, mas pelo pedido de uma serva minha. Concedo-te mais um tempo de vida, não rejeite mais esta chance, volte ao mundo dos vivos e proclame o meu nome, pois em breve visitarei a minha igreja e levá-la-ei para habitar comigo para sempre.
         Não houve tempo de agradecimentos, ao lado de Becker, um francês, Dinod Fortoun ia pedir misericórdia, mas não teve tempo de falar nada, ele viveu em Toulouse no século XIX e era estuprador e assassino, já estava no inferno há mais de 200 anos.
         Becker saiu do inferno, o cheiro de morte foi ficando para trás, ele subiu de seu cativeiro mais rápido que a luz, o próprio Jesus o trouxe de volta. Quando chegou ao local do acidente ele viu seu corpo parado, pessoas afastadas, sua esposa e uma aluna que lembrava vagamente de um outro curso no campus, ele entrou de volta ao seu velho e bom corpo pelo nariz.
         - Ele está se mexendo!
         - Ele ... Meu Deus!
         As pessoas não podiam acreditar, já havia se passado pelo menos uma hora desde o acidente com o trem. Como aquele homem poderia ter ficado tanto tempo sem respiração?
         Becker pegou na mão de sua esposa e falava sem parar:
         - Amor, ele existe, ele existe, ele existe!
         - Ele quem, Paulo ... Ele quem?
         - Jesus, ele existe... Ele existe! Ele me salvou do inferno.
         A ambulância chegou, os paramédicos estabilizaram o acidentado, imobilizaram seu corpo, colocaram-no no veiculo e o levaram para o Hospital Santa Genoveva. Após os primeiros exames o inacreditável foi revelado:
         - Não é possível!
         - O que doutor?
         - Este homem não tem como estar vivo, vejo uma fratura na segunda vértebra do pescoço, e ele não está morto, não está paraplégico não tem nenhum sinal de problema algum, nunca vi tal coisa em toda minha vida de residência médica, não sei explicar tal coisa.
         Desconfiado de que o aparelho pudesse ter dado um diagnóstico errado mandou repetir os exames. Tudo Confirmou o impossível, o Dr. Agora está mais vivo do que nunca e perfeitamente restaurado a vértebra que havia se rompido, no exame de confirmação solidificou-se e estava totalmente renovada.
         Do lado de fora da sala de exames Valéria Bentes e sua mais nova amiga cristã estavam mais que alegres pelo grande milagre que assistiram naquele dia, Maria Damasceno pediu que ela e seu esposo visitassem sua igreja que ficava na periferia, como forma de agradecer ao bom Deus pelo milagre operado. Valéria disse achar difícil, pois sabia que seu esposo detestava todo o tipo de crentes, que eram chamados de fanáticos por ele, quase todos os dias, mas prometeu que ela iria, nem que fosse sozinha.
         Após a bateria de exames e comprovado o melhor dos diagnósticos, Becker e sua mulher reencontraram-se e ele pode dar mais detalhes do que lhe acontecera, após ouvir tudo ela atônica perguntou:
         - Então você não é mais ateu?
         - Como posso descrer de algo como o que passei, foi real demais para eu negar tudo, vou rever todos os meus conceitos, creio na existência de Jesus Cristo... Foi ele quem me salvou - Neste momento uma lágrima escorreu de seus olhos...
         - Eu estava totalmente errado, eu iria ficar naquele lugar para sempre, não tinha mais esperança, até que aquela voz de poder entrou naquele lugar escuro e fétido e me resgatou, não há dinheiro no mundo que eu possa pagar por isso.
         Becker ficou no hospital durante todo aquele dia e foi liberado no dia seguinte. Já em sua casa palmas podiam ser ouvidas em frente ao portão, o dia estava ensolarado, sem nenhuma nuvem no céu, o gramada parecia não sentir a falta de água, pois era regado diariamente, um cachorro latia no quintal ao lado, o muro era baixo, mas o animal não faziam medo algum, vizinho à família Becker morava um funcionário público de carreira, Normando Teixeira era engenheiro da companhia de Saneamento, as famílias Becker e Teixeira davam-se muito bem. Normando, que era freqüentador da Igreja Batista nunca chamou seu amigo para uma reunião em sua igreja, pois sabia de sua fama de ateu. O tempo agora diria que tudo mudou nos muros da casa vizinha.
         Valéria saiu para atender e viu um homem simples, mas que não lhe era estranho:
         - Como está o doutor?
         - Bem, tudo acabou bem graças a Deus.
         - Eu sou o José Salustiano, o maquinista. Tive a sensação de que seu marido estava morto, mas graças a Deus ele está vivo, não sei como tudo aconteceu, mas estou aliviado.
         Neste momento da conversa, Valéria convidou o homem para entrar e ele aceitou. Dentro de casa ele fez questão de cumprimentar o doutor e também abraçá-lo:
         _ Nossas vidas se encontraram e era para eu estar morto agora, mas sei que Deus me deu uma nova chance, e esta não desperdiçarei.
         - Olha doutor, eu fiquei pensando em tudo o que aconteceu, depois do acidente e com o recolhimento do carro tive a comprovação de que não havia jeito do senhor ter escapado, sei que foi Deus quem o salvou daquele momento.
         - Eu tenho certeza absoluta, quando retornei daquele lugar maldito tinha o cheiro de carne queimada no meu nariz, aquele lugar era o mais terrível em que eu já estive.
         -“Me falaram” que o senhor teve uma experiência do outro lado.
         - Conheci o que é o inferno, se aquela menina não tivesse orado por mim ainda estaria naquele lugar de tormenta e para sempre, hoje à noite eu e minha esposa iremos à igreja daquela jovem abençoada que orou a Deus por mim.
         Neste momento Pâmela entrou na sala em que estava e foi logo procurando o colo do pai que a abraçou com força. A estante que tomava conta de toda uma parede agora tinha uma Bíblia num lugar de destaque, Becker começou a ler suas páginas e já havia devorado mais de quarenta capítulos. O visitante despediu-se feliz e foi para seu dia de descanso, depois do acidente ele recebera três dias de folga para restabelecer-se do trauma
         À noite Becker e sua esposa tomaram um taxi e seguiram para a igreja de Maria Damasceno, ela ficava na periferia da cidade.
         Ele não podia acreditar um ateu, mais que confesso defensor ferrenho das teses de Darwin, seguindo num taxi para uma igreja evangélica da periferia, mas agora ele contava com uma convicção. Não foi o céu quem o convenceu de tudo, foi o próprio inferno, ele tinha certeza de que o oposto existia, mas o lado obscuro que ele visitara, fez-lhe perceber a realidade do outro lado, o da vida. Ele queria se apressar para chegar ao destino que iria mudar sua vida para sempre. No meio do caminho muitas lembranças de tudo o que aconteceu em sua vida, Pâmela, sua filha estava mais feliz do que de costume, havia paz dentro de todos os corações que seguiam para a igreja.
         A paisagem ia passando rápida, não havia muitos carros na rua e uma chuva bem fina caia trazendo uma brisa incomum para aquela época. Valéria queria conversar, mas não conseguia acreditar, para ela, mesmo sendo uma católica, aquilo seria algo de inacreditável, seu marido quando zapeava o controle viajando pelos canais de TV falava com um tom de indignação quando via algum tele-evangelista falando sobre a fé evangélica, e quando este ousava pedir algum tipo de oferta aí a casa desabava, agora este mesmo homem estava indo para uma dessas igrejas “odiosas”, como ele falava de boca cheia, quem diria! Pensava com seus botões.
         Becker agora pensava no que iria dizer aos seus alunos, muitos o tinham como ídolo, alguns massacrados por suas convicções e seu afiado linguajar acadêmico acabaram deixando suas convicções e abandonando seus credos para mergulhar numa razão que aparentava os homens com os macacos, e que, portanto deixava a “teoria” da existência de um Deus, num canto escondido e empoeirado da história. Mas algo o movia sem medo nenhum de qualquer tipo de retaliação ou sentimento avesso, ele não queria voltar para aquele lugar escuro e fétido cheio de horrores que fazem os piores pesadelos serem contos de carochinha.
         A família chegou, Becker tomou o telefone do taxista, ele queria voltar com ele e entrou na igreja pequena que estava com poucos membros ainda, ele se sentou e viu alguns ajoelhados e falando sem palavras repetitivas uma oração que mais parecia um diálogo de um filho com o pai, um pai presente e compreensivo. Ele fez o que os outros estavam fazendo encostou no banco tendo Pâmela entre ele e sua esposa e começou a falar com Deus:
         Eu te odiei, sem te conhecer, falei mal de ti, sem andar contigo, vi os terrores da morte e me assustei, fui ao inferno e não sei como consegui sair de lá, mas sei que tu existes e que tens vaga para uma alma rabugenta e ranzinza como a minha, aceita-me quero dedicar o resto de minha vida para falar que eu creio em ti e confio em ti, tu que agora és meu Deus.
         Neste momento da oração, Becker começou a chorar...
         Eu não iria ver mais minha Pâmela, não voltaria aos fins de tarde para casa, não abraçaria minha esposa, não veria minha filha crescer, Oh Deus! Como tudo é efêmero, eu não te conhecia, por isto agia daquela forma, agora quero ser teu filho e viver para grandeza de teu nome e reino.
         Os membros ouviram uma rápida oração ao microfone e se levantaram para começarem o culto. A palavra lida foi em Atos dos Apóstolos capítulo nove. A história de Paulo encantou o Dr. Becker que respondeu ao apelo com sua esposa e sua filha. A partir daquele dia o Diabo nunca mais veria a face daquele homem. Dr. Becker escapou do inferno!
F  I  M  !

                                                              História de Haroldo Ribeiro
imagem: regisaeculorumimmortali.wordpress.com

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com responsabilidade