Amazontime

Amazontime
O maior site de notícias de Humaita - AM
"Deixe seu comentário ao fim das matérias, se preferir poste no mural de recados na parte inferior do site. obrigado!

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

AS AVENTURAS DO PREFEITO PACHECÃO

- Ganhar eleição não é lá tarefa fácil, a gente tem que convencer o eleitor, gastar toda a dialética e retórica possível, e isso tudo na honestidade. Todos sabem que eu nunca usei métodos que não são honestos, por isso cheguei aonde cheguei. Após estas palavras Pachecão, o ganhador da eleição no Reino de Brasiléia, saiu de cena e foi falar com os seus amigos vereadores, para fazer a cidade crescer.


- Senhores, boa tarde, todos nós ganhamos a eleição. Nesse momento Pachecão olha para um lado e outro e diz. – Rapaz, o negócio ta pegando, tem gente indo pra cadeia e outros perdendo o mandato.

- Virge Nossa Senhora! Disse Dózinho, que venceu a eleição por um voto de diferença.

Pachecão continuou após estar ciente de que ninguém estava gravando nada.

- Olha não podemos fazer sacanagem, temos que agir com honestidade, vou dar pra cada um quarenta vagas de empregos, você mandem os mais chegados, mas faz o favor Argemiro, na outra vez você me mandou um rapaz que não sabia nem ligar um computador! O infeliz ficou a manhã toda pra apertar o botão! Assim você estraga o esquema. Entendeu!?

-Sim eminência, quer dizer excelência.

Pachecão era homem sincero, o que prometia cumpria. Todas as vezes que havia algum assunto importante a tratar, todos os vereadores iam e já sabiam que o negócio iria ficar bom. E assim as coisas aconteciam no Reino de Brasiléia. A cidade estava crescendo e muito, todos os vereadores investiam dinheiro na própria cidade, só eles eram ricos, mas não havia corrupção, não!

Um dia entrando na Prefeitura, Pachecão foi parado por um rapaz que lhe disparou uma pergunta a queima roupa.

- Lembra de mim tio?

- Meu rapaz, to lembrado não, mas... Diga o que ta precisando.

- Oh, meu tio, to desempregado, arruma alguma coisa pra eu fazer, tio!

Pachecão pensou...pensou, e chamou o chefe do departamento pessoal e disse:

- Adamastor, esse meu sobrinho, ta desempregado.

- Vála-me Deus, não pode não excelência!

- Pois bem, você sabe que se um homem não ajuda os de casa, não pode fazer nada pelos outros. Arruma alguma coisa boa pro garoto viu!!!

Divino agradeceu e foi tratar da papelada, começaria naquele dia mesmo.

Terminando o expediente, Pachecão foi para casa e ficou matutando, pra ver se lembrava quem era aquele garoto. Assistiu o jornal, comeu um bom jantar, deu um beijo na primeira dama e foi dormir.

Por volta de duas horas da manhã, acordou atordoado e lembrou!

- Meu santo Pai eterno! Esse rapaz é neto do capanga que quase matou meu pai! Ah cabra safado, amanhã tu vai procurar emprego no inferno, peste ruim!

No outro dia pela manhã Pachecão, que sempre chegava no horário no trabalho, foi para a Prefeitura com gosto de fel na boca, e por incrível que pareça, o primeiro que encontrou foi o tal de Divino, porém acompanhado de dois Montes Everestes ao lado.

Pachecão chamou o rapaz de lado e estava pronto para falar poucas e boas quando interrompido ouviu.

- Espera aí tio antes de falar qualquer coisa conheça meus dois primos. Ricardinho, Mazinho vem cá, dá um abraço no tio aqui, ele me deu um emprego público.

Vendo a altura dos dois primos de Mazinho Pachecão gelou.

- E tem mais tio eles já trabalham pro senhor, mas eu sei, é tanta gente que não dá nem pra lembrar.

Pachecão pensou. Vereadores desgraçados, colocam esses jagunços no serviço público...

Nesse momento Pachecão é interrompido pela pergunta de Mazinho:

- Hei tio, o que o senhor queria mesmo?

Mais que depressa, Pachecão disse o que veio na cabeça.

- Onde tu ta trabalhando sobrinho querido.

- Sou auxiliar do medidor central da água da caixa do reservatório.

- Serviço importante, mas tenho algo melhor pra você, vai trabalhar como assessor do Vado, o Vice Prefeito. Certo!

Ricardinho primo mais velho de Mazinho que tinha um metro e noventa e quatro de altura, malhava todo o dia e levantava cento e trinta e dois quilos, como se tivesse bebendo uma Coca Cola, chorou de alegria e apertou Pachecão com tanta força que estralou umas duas costelas:

- Isso que é um homem do povo!

Haroldo Ribeiro
http://www.amazontime.com/

2 comentários:

  1. ese prefeito e uma porcaria vamos amara ele numa tora de pau e joga no rio abaxo

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito da matéria sobre a Eucatur realmente ta uma vergonha pelo que me parece não esta sendo feito manutenção dos ônibus colocando em risco a vida dos passageiros.

    ResponderExcluir

Comente com responsabilidade