Amazontime

Amazontime
O maior site de notícias de Humaita - AM
"Deixe seu comentário ao fim das matérias, se preferir poste no mural de recados na parte inferior do site. obrigado!

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

UMA MÃO AMIGA


Estar sozinho numa grande capital, cheia de perigos e ainda por cima debilitado pela doença de um ente querido. È um quadro sombrio, que, no entanto é uma dura realidade vivida todos os anos por milhares de cidadãos humaitaenses que têm Porto Velho como sua legítima capital dada à grande distancia que separa esta cidade de sua verdadeira capital Manaus.
Para você compreender melhor Humaitá fica ao Sul do Estado do Amazonas que tem área maior que a maioria dos países do mundo, já a sua capital, Manaus fica a 600 km de distância. Se a Rodovia BR 319 estivesse pronta, para se chegar a capital do estado num carro de passeio alguém demoraria apenas de seis a oito horas. Como não há estrada que chegue até lá a opção mais viável é o barco que carrega cargas pesadíssimas e leva também passageiros com a finalidade de conseguir pelo menos o dinheiro do óleo diesel pra cumprir toda a viagem. Cabe ressaltar que este deslocamento pelo grande Rio Madeira leva cerca de três dias de viagem por água. Num caso de urgência, se o cidadão comum tivesse que ir à capital pra se tratar já deveria levar o caixão junto a si, ou então jogar-se o defunto para virar comida de candiru nas águas do Madeira.
Como todo mundo quer ir pra o céu, mas ninguém quer morrer, o que acontece em casos de risco eminente de morte é a remoção de Humaitá pra Porto Velho que fica a 200 km, com uma estrada boa e trafegável.
Quando o cidadão comum chega a Porto Velho e precisa de atendimento de urgência ou vai passar por procedimentos de alta complexidade, como ressonância ou tomografia computadorizada, ele precisa de um acolhimento para ajudá-lo em sua jornada, é aí que entra a figura de Antenor Guterrez, uma verdadeira mão amiga no caos da capital Porto Velho.
Segundo o Próprio Guterrez, a maior dificuldade enfrentada pelos cidadãos da cidade quando chegam a Porto velho é falta de uma casa de apoio às pessoas. Se chegarem ao Hospital acompanhado alguém que tenha mais de 15 anos ou menos de 60, não poderão ficar junto ao ente querido para acompanhar o processo de cura, passarão pela deprimente experiência de dormir no fundo do Hospital ou fora dele.
Embora sem dispor de grandes recursos Antenor, quando avisado pela direção do Hospital Regional de Humaitá, fica de sobreaviso e já faz todo o tipo de preparação para que o paciente tenha o melhor atendimento possível em solo rondoniense. Por fazer este tipo de serviço já há 5 anos este homem aprendeu a tecer amizades e influencias que faz com que a maioria dos caminhos já estejam abertos, permitindo que os humaitaenses sofram menos em Porto Velho.
Para Antenor o que importa são as vidas que possam ser salvas por sua intervenção, embora receba por isso, permite que cada pessoa que chega naquela capital pétrea e fria, sinta um pouco de carinho e amparo de uma mão amiga sempre estendida na hora da angústia.

Haroldo Ribeiro
www.amazontime.com

Um comentário:

  1. Reportagem muito justa e bem elaborada, visto contemplar a imagem de um homem (Antenor Guterrez) que não mede esforços para interferir de forma positiva aos que o procuram (pessoas enfermas ou não). O povo de Humaitá só tem a ganhar conforto e facilidades, em se tratando da dedicação que Antenor tem prestado numa área tão deficiente, quanto é a Saúde.
    Parabéns Antenor Guterrez, pois você merece todo o reconhecimento!!!!
    Elessandro

    ResponderExcluir

Comente com responsabilidade